Diário de Bordo: Los Angeles, USA-Disney Adventure Park e Universal Studios- Parte 2

Eu sei que foi loucura ter os primeiros dias de jet lag em um parque de diversões. Porém, estando em um grupo muito grande é preciso seguir o programa e foi o que fizemos, nos arrastamos no Disney Adventure no dia 1 e não nos arrependemos.

A internet está saturada de sites com dicas do parque e por este motivo vou ater-me apenas as fotos e detalhes do meu dia. Nós chegamos cedo e encontramos o local ainda despovoado. Deu pra passear com tranquilidade e curtir muitas atrações sem enfrentar longas filas.

Com atrações para todas as idades, as meninas aproveitaram um bocado, especialmente na montanha russa. Já eu, que não vejo a mesma graça nos brinquedos radicais, fiquei mais interessada pela decoração natalina.

Já na Universal Studios…

Eu simplesmente ameeeiiiii!!! Tem muito pra se ver, atrações interessantes e decoração encantadora!

E tem o mundo de Harry Potter!!!!!Foi lá que iniciamos a expedição, tentando identificar cenários e personagens do livro ao mesmo tempo que também poderíamos fazer parte daquela história, já que atores interagiam conosco e muitos dos visitantes se vestiam à caráter.

Olha a briga!!!

Finalmente testei a tão famosa cerveja amanteigada, uma bebida caramelizada e deliciosa.

Outros momentos…

Foi um dia para não esquecer e um ótimo início de férias!!

Imagens- Arquivo pessoal

Anúncios

O Reveillon foi salvo

Como informei na atualização do post, meu pai fez um exame de cateterismo, colocou dois stents e recebeu alta. No dia seguinte, já estava a fazer peraltices, seja passeando conosco quando deveria estar na cama convalescendo ou comendo os restos das nossas refeições gordas. Flagrei-o atacando um pedacinho de pizza e fiquei sem crer na audácia. Como pode? Dias atrás passei a noite em claro com uma pessoa de coração fraco que mal podia respirar e naquele momento tive que ralhar com ele tal qual como com uma criança teimosa. Teve sermão pra ver se ele tenta mudar de vida, mas o caso é de psicólogo. Ele tem “alcoolismo” alimentar. Alcoolismo é só uma referência ao vício forte ao álcool, só que o dele é ainda pior porque é em relação a comida. Fiz uma feira repleta de comidinhas saudáveis e nossa ceia foi assim: salpicão de atum light, salada de couve flor, salada verde, carnes, peixes e frangos, arroz e de sobremesa, bolo de banana fit.

Claro que tinha outras gordices, mas o fato de ter tantas opções lights o manteve na linha ( acredito eu. Ou foi o medo de mim, rsrsrs). Eu só sei que apesar de todos os pesares, dramas de convivência e outros desafios, tivemos um Reveillon de muita paz. Eu me vesti em paetês, brincamos de amigo secreto, trocamos presentes e assistimos os fogos de nossa varanda ( alugamos uma casa próximo a Strip em Las Vegas).

Foi tudo lindo, pacífico e alegre. Naquele momento éramos um todo, uma família forte e realizada.

Feliz 2018 a todos nós!!!

Diário de Bordo: Los Angeles, USA

Viajar para os Estados Unidos é aquele desafio. Vôo longo, com crianças, eu diria que não é a coisa mais relaxante do mundo. Porém, a Norwegian me surpreendeu com o conforto e quantidade de entretenimento a bordo. As 11h de vôo passaram tão rápido que eu se quer consegui assistir toda a série norueguesa Lilyhammer ( aliás, recomendo fortemente! Tem muito do Brasil nela, muito do Rio e de nossa cultura! Amey!!). Já tenho programinha pra volta, muito bom!!

A cidade:

Eu estava tão focada nos exames finais que não pesquisei sobre a cidade. Não sabia que era imensa, não fazia idéia do trânsito caótico e principalmente, nem havia atentado para o fuso. 9h de diferença. Parece pouco, mas na prática é isso aqui:

Eu durmo picado. Acordo às 1h, durmo um pouquinho, depois acordo de novo e o mesmo fazem as minhas meninas. Resultado disso é que eu nunca tenho energia completa durante o dia e às 16h eu já quero desmaiar com força na cama.

Outro fato interessante, é que como bem menos. Apenas o café da manhã e o almoço, porque na hora da janta meu corpo não pede alimento. Ao menos um lance positivo com o tal de Jet lag, né?

O hotel

Entre o conforto de localização difícil e o desconforto no meio do centro, qual é o melhor? Eu não sei pra você, mas estando com crianças, para mim, o conforto é fundamental. Foi por isso que escolhemos ficar na Embassy Suites em Downey. Era um local muito tranquilo, suítes bem equipadas com uma mini cozinha, oferta de café da manhã, lazer com piscina e academia de ginástica. Além disso, todos os dias é servido uma mesa com lanches e petiscos juntamente com bebidas. Preciso mais de que?

O reencontro

Chegamos dia 12 à noite e no outro dia fomos buscar meus familiares no aeroporto. Minha mãe, meu pai, irmãos, cunhados e sobrinhos, ao todo uma turma de 9 pessoas.

Eu fiquei imensamente feliz por tê-los reencontrados e a verdade é que apesar de ter passado 1 ano de nosso último encontro, parecia que havia sido semana passada a última vez que os tinha visto.

Fomos celebrar em um restaurante colombiano maravilhoso e agora é a hora de ostentar:

Comi dois pratos de feijão pra dar sustança!

Terminamos nosso dia com uma passada na Target pra comprar lanches e bebidas. Tive que me segurar diante da seção de cosméticos e vestuário porque eu já tenho o suficiente. É fechar os olhos, respirar fundo e seguir em frente!!

O trânsito

No caminho pra casa, um trânsito de chorar. Se você vem pra Los Angeles, evite os horários de pico, acorde mais cedo e saia, que é pra não correr o risco de passar as férias dentro de um carro.Tá avisado!

Imagens- Arquivo pessoal

Eu vi São Francisco amanhecer

Do quarto de um hospital. Acompanhante do meu pai que estava tendo um ataque cardíaco horas atrás. Não, não é a primeira vez. Controle do sangue, injeções, checagem da temperatura, medicamentos e sono picado, o coitado sabe de cor. O que não esperávamos é que acontecesse aqui, no meio de uma viagem tão sonhada e planejada por todos. E no dia do natal.

Já na véspera, aquela agonia ao ver uma crise respiratória. Todo mundo certo que era gripe forte. Era o coração pedindo socorro. Fomos ter uma linda ceia no restaurante brasileiro Fogo de Chão, um lugar divino! Naquele pequeno momento/espaço de tempo tudo correu bem, embora a preocupação pairasse pelo ar. Comemos, brincamos e festejamos porque, apesar dos pesares, poderia ser tudo pior. Li de gente que deixou este plano em um acidente horrível, inclusive um anjinho de 5 anos lá na Noruega. Não, eu não posso reclamar. Meu pai pelo menos está sendo muito bem assistido e se Deus quiser, será tratado e curado. Tentei conversar, mandar aquela “lavagem cerebral” sobre o meu estilo de vida dando a ele esperanças de um futuro melhor. Não vale a pena colocar a vida em risco por algo que vira cocô. Comida é vício, temos que ser fortes. Assim, no momento que tomamos o controle de nossas vidas e passamos a driblar as armadilhas da indústria alimentícia, a qualidade de vida vem.

Agora é ter fé em seu restabelecimento e torcer para que sua cabeça e seu corpo se transformem.

Parece pintura, mas é só foto ruim mesmo. Meu celular não coopera, poxa!

Atualização!!!!!!!!

Meu pai fez o cateterismo, colocou stents e recebeu alta!!!! Eu chorei de alegria, estresse, nervosismo, alívio e principalmente, de agradecimento. Meu pai foi salvo e nossa viagem também!

Imagem- Arquivo pessoal

Diário de Bordo:Clube da Luzinha na Hungria, Budapeste/Parte 3- Final

E no último dia em Budapeste, rolou um ventinho inesperado. Noooossa, como era imensamente mais prazeiroso caminhar pela cidade! O sol não maltratava tanto e foi por isso que encarei a ida para o Parlamento.

O prédio é imponente e muito bonito, uma das atrações turísticas mais requisitadas. Infelizmente também não pude conhece-la por dentro, ou me atrasaria para as outras atividades programadas.Tempo favorável, continuei andando até o famoso Hotel Gellért e suas piscinas belíssimas, só que pelo caminho, o memorial dos sapatos…


Li que esta era uma homenagem aos judeus que foram alvejados e derrubados no Rio Danúbio. Antes disso, tiravam os sapatos, ficando ali um pedaço da história de alguém. O pior foi ver calçados tão pequeninos, cheios de doces para as almas infantis.
Agora, finalmente, o Hotel Gellért!

Budapeste tem várias atrações com piscinas e só depois de passar apuros no meio do calor foi que entendi o motivo.

A beleza dos vitrais, a piscina espetacular e a comida típica húngara, o goulash.

Soube até de pool parties noturnas em um local chamado Szechenyi Spa & Bath. Não tive coragem de encarar por motivos de nojinho dos fluídos alheios, rsrs!
Além dessa balada, os chamados “Ruin bar” são mega populares.

Se tratam de prédios delapidados, ruínas que viram bares justamente por terem essa pegada “podrinha”.

A thurma escolheu o Szimpla Kert pra fechar nossa noite.
Foi interessante ver a decoração, a vibe da galera, a música, enfim, programa pra turista ver, inclusive de dia, se existe a possibilidade. É que pra poder circular e tirar boas fotos, melhor mesmo um horário mais vago.

Outros cliques:

E assim foram os dias quentes na Hungria!

Quer ver a parte 1 e a parte 2, é só clicar!

Imagens- Arquivo pessoal

Diário de Bordo:Clube da Luzinha na Hungria, Budapeste- Parte 2

Antes tarde do que nunca!Vamos colocar essa bagaça em dia então.


Como disse no post anterior, Budapeste era o inferno na terra de tão quente. Não sei se dei “sorte” ou se o clima normalmente é aquele mesmo no verão, só sei que aconselho a qualquer viajante a evitar este período por lá, ou a pessoa vai fritar!


Como se nãoo bastasse o calor, a cidade é enorme!Pra não correr o risco de derreter no meio do caminho, passei o dia fazendo o Hop on-Hop off   …Melhor decisão da vida!!!


Claro que eu deixei de ver de perto várias atrações, muitos lugares legais que eu gostaria de ter parado pra conhecer e não rolou por conta do calor…uma pena!!


Abaixo, a famosa Praça dos Heróis

Na verdade, com um ventinho no rosto e muito bem acomodada, só abandonei o ônibus na hora do almoço porque era o jeito.


Mais eu conto no próximo post!

Até!
Imagens- Arquivo pessoal

Diário de Bordo: Clube da Luluzinha na Hungria, Budapeste-Parte 1

Primeiro de tudo, qual é a chance de fazer uma viagem para Budapeste e depois saber que por lá também estava passeando uma blogueira querida? Eu fiquei em shock quando ela contou por onde andou ( só falta os relatos do lugar, post que já espero ansiosamente).

Pois bem, todo ano eu me dou ao luxo de fazer uma pequena viagem com as amigas. Nada muito doloroso para a família, já que saio na quinta e volto no domingo. Apenas o suficiente para conhecer um novo lugar, passear, conversar com as amigas sem ser interrompida pelas crianças, enfim, relaxar.

Assim que chegamos em Budapeste, seguimos para o nosso hotel. Ele se chama Aria e era muito confortável e belo.

Detalhe do quarto

De fora você não dá muito por ele, porém, por dentro é perfeição. Além de todo o UAU, ele tem um terraço maravilhoso que sempre lota de visitantes.

Super dando close

A fabulosa vista do terraço: a Basílica de Santo Estevão⤵️


O atendimento foi nota 1000!Os funcionários sempre nos perguntando se está tudo bem, se precisamos de ajuda ou oferecendo um vinho, dicas para as melhores atrações, um cuidado genuíno.Não posso esquecer de mencionar a piscina, ofurô, sauna e a sala de ginástica( esta eu não fui pois já caminhava bastante durante o dia).


O que não seguiu o alto padrão foi o café da manhã. Eu não sei se é porque sou acostumada com acomodações simples, porém, com aquele café da manhã farto que enche até a hora da janta, mas eu acho que ali faltou variedade. Tudo muito fino, pouquinho e contido.

Área do café da manhã. Neste mesmo espaço é servido vinho e queijos com música ao vivo no fim da tarde.



Em seguida, fomos fazer um free walking tour e este não me encheu tanto os olhos…


Foram longas caminhadas com poucas informações interessantes.E é claro que o calor atrapalhou. Eu, brasileira, nordestina, fiquei passando mal com aqueles 38º. Dava fraqueza, tristeza e a vontade de explorar era nula dentro daquela sauna, rsrs!

O calor estava tão insuportável que vi muita gente se banhar nas fontes. Quem não tinha essa coragem, se aliviava debaixo dos vaporizadores espalhados pela cidade, como este abaixo…< strong><<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<
No outro dia, optamos pelo passeio no Red bus (Hop on-Hop off). Ao menos não precisaríamos caminhar, né? Teria também o suposto ventinho no ônibus, hummmm, que maravilha!

Nos próximos capítulos eu conto mais, combinado?

Imagens-Arquivo pessoal

Diário de Bordo: o que é que a Irlanda(do Norte) tem?Belfast-Parte final

Chega ao fim a série de posts sobre a Irlanda. No meio das férias escolares, tendo passado a manhã inteira cozinhando, limpando e cuidando das meninas, acho uma delícia lembrar de dias tão lindos e relaxantes.

Pois bem, como mencionei antes, não ficamos muito tempo em Dublin e muito menos em Belfast, a capital da Irlanda do Norte. Porém, tendo a oportunidade de ao menos dar uma boa olhada na cidade, não pensamos duas vezes em contratar os serviços guiados em um ônibus de turismo.

Museu do Titanic

Eu queria ter visitado seu interior, parece muito interessante. Não deu tempo 😦

O Muro da Irlanda do Norte. Ele separa a região católica da parte protestante. Apesar de não ter uma isolação total, já que é permitida a passagem durante o dia, à noite os portões se fecham às 19h.


Foi cerca de 2h de viagem, meio que um bate e volta mesmo. Como iríamos visitar outras paragens, o tempo no centro foi mega curto, mas deu pra sentir um pouco da cidade e despertou a maior vontade de voltar lá.

O Museu da República Irlandesa

Brasil bombando em Belfast! Quem diria!🇧🇷

A prefeitura de Belfast. É uma prédio imponente, decorado e muito bonito, tanto por dentro como por fora.

Mais do City Hall de Belfast


Os vitrais do City Hall

Decoração típica nas janelas das residências

A caminho de Dublin, uma parada rápida na Igreja de St. Patrick. Assistimos a um filme sobre a história do local, conhecemos o interior da igreja e seguimos viagem…

Conhecemos também as ruínas do Castelo Dundrum

E um cafezinho no final, para recarregar as energias.

Foi uma viagem incrível. Eu amei a oportunidade de passear por Belfast, mesmo que por tão pouco tempo. Da próxima, já sei que é necessário pelo menos 3 dias pra curtir o turismo com calma. Não vejo a hora de voltar!

Imagens-Arquivo pessoal

Diário de Bordo: o que é que a Irlanda tem? Dublin- Parte 4

Dando continuidade às postagens antes que eu esqueça de tudo, aqui vai alguns cliques de nosso último dia na capital e informações sobre o nosso hotel, não exatamente nesta ordem.

Nós ficamos hospedados no Hotel Clayton, uma hospedaria bacana localizada próximo às margens do Rio Liffey. Aviso logo que, para o preço que cobram e a classificação que carregam, deixam a desejar para os padrões brasileiros do que é um hotel quatro estrelas. O quarto em que ficamos não tinha frigobar pra gelaras breja e o café da manhã tinha de tudo, mas era bem basicão. Eu já paguei muito mais barato em um hotel três estrelas na Espanha que comparando com este, mais parecia cinco estrelas! 


Agora, verdade seja dita: era perto de tudo. Fizemos a maioria dos passeios caminhando ou pegando carona nos ônibus vermelhos.
Alguns cliques das redondezas…

A última atração visitada antes de ir embora foi o Museu de Cera. 



 Não importa que eu já tenha feito esse tipo de programa em outros lugares. Eu adoro analisar a perfeição e cuidados com que os bonecos são feitos e acho que cada país tem uma exposição diferente. 


Em Dublin, além das personalidades locais e internacionais, havia também um hotel do terror( que eu não aconselho a entrada de crianças, pelo amor!!!) e um tipo de floresta encantada(?).


Por fim, fomos almoçar em um bistrô muito aconhegante chamado Bach 16. No meu prato, uma salada com queijo e um molhinho doce divino. A pizza do boy, extremamente fina e crocante, também delicioso. Muito bom!

E assim terminou o nosso dia, cansados, mas bem felizes e preparado pra outra avenrura!

Tin tin com café!