Panelinha

Eu fazia parte de um grupo no whatsapp. Um grupo que começou com o intuito de reunir a galera pra animar o inverno, organizar os rolés, -ou os cafés, no dialeto adulto (Nunca no Brasil marquei com amiga pra tomar um café, a gente marcava um cinema, um lanche, uma farra, essas coisas. Continuo sem saber se isso de marcar um café é coisa de trintões plus plus ou é coisa de europeu wanna be, rsrs).

O fato é que o grupo cresceu e passou a ser um ponto de encontro de comadres.

Fia que não sabe isso ou daquilo, vai no grupo sanar suas dúvidas, afinal, google pra quê, né? Mas o que mais me incomodava era a hipocrisia e superficialidade daquelas relações. Talvez por se tratar de algo meramente virtual, os laços não fossem profundos o suficiente para desenvolver algo maior e tudo eram risadinhas e muito, mas muito mimimi. Eu participava pouco e dei o meu último suspiro quando começou a pabulagem que eu detesto. Conversa de que “a escola do meu filho é a melhor, tem até __________( insira aqui a atividade esportiva da moda)” ou ” a creche do meu filho é tão foda que vai receber a visita de autoridades (!!!!)” é só um exemplo do tipo de papo que ali rolava. Uma concorrência tão desnecessária porque, a meu ver, não é esse tipo de futilidade que uma criança precisa.

Fosse o comentário apenas de uma integrante, eu até relevaria. Mas ver gente dando a maior corda, jogando confetes e querendo inclusive saber preço pra, quem sabe, mudar os filhos pra a tal escola pica das estrelas também, me fez ver que eu era ali um peixinho fora d’ água.

Calhou que eu dei a sorte de meu telefone quebrar e ter que restaurar a porra toda pra poder funcionar direito. Junto com arquivos, fotos, números de telefone, se foi embora um punhado de grupos do whats, inclusive o das damas distintas e ab(e)astadas de nossa região.

Senti tanta liberdade e tamanha leveza por não ter mais que interagir com elas, por não ter que ler as baboseiras, por não se testemunha de tanta hipocrisia, concorrência e cagação de regras. De repente, era apenas eu, minha vidinha que tanto gosto e sou grata, a simplicidade do meu lar, de minhas relações, aquilo tudo me bastava.Uma felicidade que status nenhum paga, viu…

Imagens- Reprodução

Anúncios

De volta a realidade

10h de um vôo tranquilo e quase sem turbulências. O avião da Wamos, apesar de lindo por fora, conservava uma tecnologia arcaica no que se refere a entretenimento. Nada de filmes ou qualquer comunicação com o mundo exterior, um luxo típico nos aviões da Norwegian. Não foi o que paguei, mas era o que tinha no momento, depois de vários cancelamentos de nossa empresa aérea. A sorte foi um power bank poderoso que supriu a bateria do Ipad das meninas e do meu celular, assim me foi possível terminar ” Lolita” e começar “Sobre Heróis e Tumbas”, uma leitura muito interessante e envolvente. Lolita, desculpa dizer, foi um nojo. Se você já passou por abuso sexual de qualquer tipo ou grau, não aconselho a leitura porque dá muita raiva. De qualquer maneira, foi interessante ver como funciona a cabeça de um pedófilo, o quanto são insistentes e malignos.

Chegar em casa foi uma delícia. Os últimos dias em LA já não era de turismo, era de espera. Meus familiares já não estavam mais lá, entregamos o carro alugado e nosso último hotel, apesar de muito confortável, era ao lado do aeroporto, o que nos desencorajou qualquer passeio de última hora. Então, ver a cidade branca foi um alívio…até o momento em que atolei meus tênis na neve fofa que veio até o joelho.

Já do lado de dentro, uma casa fria e coberta de material de construção. Ainda não tenho cozinha e mesmo sabendo que tudo se ajeitará durante a semana, dá um certo desespero ter todos os utensílios domésticos espalhados pela sala. O TOC quer organizar tudo, mas o cansaço não deixa. Improvisei um lanche “marromenos” para as meninas e caímos quase que instantaneamente no sono profundo e reparador. O programa do dia é colocar alguma ordem no caos e desfazer as malas o mais rápido possível.

Imagem- Arquivo pessoal

Dos males, o menor

Estamos presos em Los Angeles. Cancelaram nosso vôo por motivos de tempo ruim e de que a tripulação precisavam descansar. Um atendimento muito eficiente, não demorou muito e já estávamos no hotel com transporte e refeições pagos. Obrigada Norwegian por não nos deixar na mão 🙏.Preenchi minha noite com netflix e terminei a última temporada de Black Mirror. Massa!! Abençoado sejam esses dias de ócio completo em que posso fazer vários nadas sem culpa alguma.

Também refleti um monte sobre minhas prioridades neste novo ano. Treino e alimentação saudável é algo que continuarei rotineiramente, da mesma forma que realizo minhas necessidades básicas. Por agora, a meta é emagrecer o que falta -coisa de 3/4kg e procurar ajuda profissional pra cultivar músculos 💪🏽.

Desejo também estar mais com meus familiares e isto inclui uma viagem para o Brasil daqui seis meses ou mais. Não sei se o estado de saúde do meu pai aflorou esta necessidade de estar ao lado deles o máximo que me for possível, só sei que eu amei encontrar todo mundo aqui e queria repetir a dose.

Também matutei sobre as relações que carregamos ao longo da vida. A gente conhece uma pessoa, acha ela o máximo até descobrir que ela não é essas coisas toda. No meu caso, eu desencantei de uma pessoa porque descobri o quanto ela é competitiva. E adivinha como descobri?! Bem, enquanto o indivíduo (por certo) me subestimava e focava em outra pessoa pra competir, tudo ia muito bem entre nós. Mas foi eu ousar me destacar em algo (que ele acha interessante) que o abuso começou. Não dá mais um passo sem saber antes qual é o meu. E depois de saber, vem comparar os resultados e não se cansa até esfregar sua “superioridade” na minha cara. Tem gente que toma isso de ser inspiração pra alguém como um elogio. Eu broxo total. Porque o que eu gosto no outro são as diferenças, o meu oposto e não uma cópia mal feita. Além disso, não tenho paciência pra competições de 5ª série. Sou muito na minha e me encaro como o principal adversária tentando me superar para o meu bem estar pessoal. Pouco me importa o que A ou B conseguiu, nem quero saber da evolução de C ou de D, a não ser para um papo informal. É por essas e outras que pretendo me recolher mais, seja pra salvar o resto de admiração que ainda existe e pra me tirar de seu foco. Quem sabe as coisas voltam a ser como antes?

Por fim, tem meus estudos. Pretendo encaixar um curso para desenvolver meu norueguês na parte escrita. Eu já deveria ter feito há tempos, mas a faculdade me toma um tempo absurdo e eu empurro com a barriga o que deveria ser prioridade. Acredito que se eu diminuir a farra no fds, dá pra encaixar um curso on line. Espero de verdade que seja mais um ano de aprendizado e evolução, que eu curta muito os que realmente são importante e o resto, se der tempo.

Game over

Foi uma viagem longa que praticamente termina aqui. Minha família voa hoje de volta para o Brasil e eu, depois de dois dias, estarei de volta a Noruega. Entre passeios, atritos, dramas e muito amor, todos sobreviveram e levam consigo lembranças lindas. Porque até quando dá errado, dá certo e meu pai está muito bem em comparação a como chegou aqui. Sinto que fiz minha parte em tentar trazê-lo para o lado saudável da força e principalmente, fazê-lo entender que ele precisa de ajuda psicológica para superar o vício em comida.

Agora é descansar tudo que nos é permitido, porque a volta promete ser desafiadora com as 9h de diferença pra colocar em dia. Jet lag, ai vou eu!

O Reveillon foi salvo

Como informei na atualização do post, meu pai fez um exame de cateterismo, colocou dois stents e recebeu alta. No dia seguinte, já estava a fazer peraltices, seja passeando conosco quando deveria estar na cama convalescendo ou comendo os restos das nossas refeições gordas. Flagrei-o atacando um pedacinho de pizza e fiquei sem crer na audácia. Como pode? Dias atrás passei a noite em claro com uma pessoa de coração fraco que mal podia respirar e naquele momento tive que ralhar com ele tal qual como com uma criança teimosa. Teve sermão pra ver se ele tenta mudar de vida, mas o caso é de psicólogo. Ele tem “alcoolismo” alimentar. Alcoolismo é só uma referência ao vício forte ao álcool, só que o dele é ainda pior porque é em relação a comida. Fiz uma feira repleta de comidinhas saudáveis e nossa ceia foi assim: salpicão de atum light, salada de couve flor, salada verde, carnes, peixes e frangos, arroz e de sobremesa, bolo de banana fit.

Claro que tinha outras gordices, mas o fato de ter tantas opções lights o manteve na linha ( acredito eu. Ou foi o medo de mim, rsrsrs). Eu só sei que apesar de todos os pesares, dramas de convivência e outros desafios, tivemos um Reveillon de muita paz. Eu me vesti em paetês, brincamos de amigo secreto, trocamos presentes e assistimos os fogos de nossa varanda ( alugamos uma casa próximo a Strip em Las Vegas).

Foi tudo lindo, pacífico e alegre. Naquele momento éramos um todo, uma família forte e realizada.

Feliz 2018 a todos nós!!!

Eu vi São Francisco amanhecer

Do quarto de um hospital. Acompanhante do meu pai que estava tendo um ataque cardíaco horas atrás. Não, não é a primeira vez. Controle do sangue, injeções, checagem da temperatura, medicamentos e sono picado, o coitado sabe de cor. O que não esperávamos é que acontecesse aqui, no meio de uma viagem tão sonhada e planejada por todos. E no dia do natal.

Já na véspera, aquela agonia ao ver uma crise respiratória. Todo mundo certo que era gripe forte. Era o coração pedindo socorro. Fomos ter uma linda ceia no restaurante brasileiro Fogo de Chão, um lugar divino! Naquele pequeno momento/espaço de tempo tudo correu bem, embora a preocupação pairasse pelo ar. Comemos, brincamos e festejamos porque, apesar dos pesares, poderia ser tudo pior. Li de gente que deixou este plano em um acidente horrível, inclusive um anjinho de 5 anos lá na Noruega. Não, eu não posso reclamar. Meu pai pelo menos está sendo muito bem assistido e se Deus quiser, será tratado e curado. Tentei conversar, mandar aquela “lavagem cerebral” sobre o meu estilo de vida dando a ele esperanças de um futuro melhor. Não vale a pena colocar a vida em risco por algo que vira cocô. Comida é vício, temos que ser fortes. Assim, no momento que tomamos o controle de nossas vidas e passamos a driblar as armadilhas da indústria alimentícia, a qualidade de vida vem.

Agora é ter fé em seu restabelecimento e torcer para que sua cabeça e seu corpo se transformem.

Parece pintura, mas é só foto ruim mesmo. Meu celular não coopera, poxa!

Atualização!!!!!!!!

Meu pai fez o cateterismo, colocou stents e recebeu alta!!!! Eu chorei de alegria, estresse, nervosismo, alívio e principalmente, de agradecimento. Meu pai foi salvo e nossa viagem também!

Imagem- Arquivo pessoal

Don’t kill my vibe

A felicidade é um troço solitário ou no máximo, reservado a aqueles que nos são muito próximos, pois raro são aqueles que conseguem realmente se sentir felizes pela conquista alheia. Quando não acham que tal feito é o suficiente para congratulações, pensam que o indivíduo não é merecedor. Ou se sentem diminuídos por não ter um feito para chamar de seu e ficam torcendo contra internamente, porque só assim pra amenizar o complexo de inferioridade.

Foi por esta e outras que guardei pra mim a data do resultado do exame final e por estas e outras que comemorei em silêncio minha aprovação. Nem fudendo que vou deixar melar o meu momento, diminuindo algum pormenor irrelevante e infantil. Deixa quieto. O que eu ganho e o que eu perco, ninguém precisa saber, né Lulu Santos?

Eu tenho uma filha de 8 anos!

 * Referente ao seu aniversário dia 9/10/17
Jujubinha, Juliana, Juju, Juliabúlia, Jujuzinha… você chegou em 2009, mas desde 2004 eu já sabia do teu nome. Veio de supetão, eu demorei a te aceitar dentro de mim porque pensava que era cedo demais. A verdade é que eu estava com medo de virar adulta, de ser responsável por uma vida e por todo amor ou dor que pudesse me causar.

Depois que ti vi na ultra, meu coração pulou, tal qual a canção do Roupa Nova. Meses depois, com apenas 35 semanas, deste o ar da graça em um mundo novinho em folha. Foi um início difícil como é para todas que experimentam a maternidade pela primeira vez. Mas o tempo foi passando e você me ensinando como ser uma mãe. 

Sempre engraçada, bem humorada e forte, nunca chorou por besteira. Independente, destemida, participativa e um coração de ouro que sente por aqueles as quais nossos olhos de adulto já se acostumaram. Pedintes, animais, quem quer que precise, você está ali, com uma palavra doce ou um soprinho mágico pra curar o dodói.

Você é carinhosa e adora ser a menininha da mamãe, mas não titubeia quando precisa botar gente pra correr. Aos 8 anos, você gosta de dançar, de fazer estrelinha e todo tipo de exercício corporal que te desafie. És uma ginasta genuína, daquelas que anda pelas ruas dando pulos e cambalhotas causando espanto nos passantes. Tá na fase do Pokemon e coleciona Pokemoncards de toda espécie. Não curte bonecas, a não ser no papel, para desenhar-lhes modelitos diversos. Ama usar meus saltos, ama fazer roupas e vestidos com os lençóis. Me vejo em você, meu amor!Me esforço o quanto me é possível para te proteger de uma parte do mundo que não te merece. Tenho orgulho do doce de menina que você é e sou muito feliz por te ter em minha vida. Parabéns!!!!


Imagem- Arquivo pessoal

Uma breve atualização

A vida anda corrida. Veja você que o ano nem acabou e eu já tenho planos para depois. Eu nunca vivi com tanta pressa e mediante tantos acontecimentos de uma vez. Primeiro, veio as férias de outono e aproveitamos a oportunidade para cair no mundo. 

Imagem: Arquivo pessoal
Itália foi o destino escolhido, espero que eu consiga escrever sobre esta viagem ainda em 2017! Tem a mudança e reforma daqui de casa. Isso merece um post a parte e eu espero fazê-lo o mais breve possível porque é assunto que quero registrar como lembrança. Teve o aniversário de 8 anos da minha mais velha e eu se quer coloquei uma notinha carinhosa aqui no blog.


Imagem: Arquivo pessoal 

Tem os estudos a todo vapor, provas em breve, segura esse tchan! Tem a organização da festinha da minha filha e desta vez, espero conseguir postar. Por fim, o chá de bebê de minha concunhada pra organizar. Isso sem esquecer os aniversários, os eventos na cidade e tanta coisa legal que acontece durante este período do ano!!! O blog vai ficando pra segundo plano, mas é por uma boa causa. A dieta continua de vento em popa.

Imagem: Reprodução

 4 meses sem açúcar, massa ou carne. 17kg já foram embora (😱) e agora, só -7kg pra chegar na minha meta. Sabe quando foi a última vez que tive meu peso atual? Em 2010!!! 7 anos de acúmulo e em apenas 4 meses, foi tudo resolvido. Todos já notam a diferença e é uma delícia ver a cara de espanto daqueles que duvidaram de mim. Nunca vou esquecer a foto do bolo de chocolate que me mandaram na maldade, bem meu período de abstinência. Nunca vou esquecer aqueles que tentaram colocar areia no meu sonho. 


Imagem: Reprodução

Da mesma forma que me apareceu pessoas de personalidade duvidosa, eu preciso agradecer a aqueles que vieram pra ajudar. O meu marido é uma dessas pessoas, um super incentivador que fez de tudo para que eu comparecesse aos treinos diariamente. Tem também uma amiga que tá na mesma vibe que eu. A gente troca idéia, informações, divide os desesperos, dificuldades e torcemos muito uma pela outra. Pripri, muito obrigada por fazer parte dessa história você também!! Nunca vou esquecer o teu incentivo e força!

No mais, outonão bombando e o inverno promete chegar em breve


MEDAAA!!!

Bom, acho que fiz um resumo informativo dos últimos acontecimentos. Agora, vou me atualizar dos blogs amigos😉💋

A Chata da Dieta

Eu já havia lido em algum lugar o quanto as pessoas ao nosso redor podem ajudar ou simplesmente minar uma dieta. Se comida une pessoas, imagine bebida. Uns bons drinks tornam meros estranhos em melhores amigos, fato. Por isso, quando um dos nossos recebe um chamado e procura levar uma vida mais saudável é logo criticado e crucificado, chamado de tolo ou doente, manipulado de todas as formas para comer ao menos um pedacinho daquele bolo de chocolate açucarado e coberto por leite condensado em forma de brigadeiro.


Ei, você que faz esse tipo de coisa, você é a chata da dieta. Pare, reflita e tenha compaixão. Reconheça que você nada sabe sobre a vida daquela pessoa que decidiu tão corajosamente mudar de vida e que luta todos os dias contra tentações. Você não sabe que aquela pessoa quase chegou a 100kg ou se já pesa mais que isso, você muito menos imagina que aquele ser humano tinha cefaléias diárias por conta da comida gorda e do sedentarismo. Aquela pessoa, sabe Deus se estava com os dias contados para um infarto ou qualquer doença malígna causada pelo sobrepeso. VOCÊ NÃO SABE QUE AQUELE PEDACINHO DE BOLO QUE VOCÊ INSISTE EM OFERECER PODE LEVAR TUDO A PERDER. Pode fazê-la desistir.Não é que o pedacinho engorde horrores, é o que vem depois:o vício no açúcar e na farinha.

Não é fácil estar nessa posição. A galera tem a maior simpatia por quem decide largar as drogas, apoia quem vai pra Rehab ou encontros do AA, mas faz pouco de quem tá de dieta sem um motivo relevante. Eu me recuso a esperar a diabetes chegar pra mudar de vida. Sinceramente eu decidi não me abrir tanto sobre isso justamente porque se a pessoa sabe que você está de dieta, faz de um tudo para você voltar atrás. Muito diferente de dizer que não quer aquele pedacinho de bolo porque acabou de sair de um rodízio de pizza e devorou 19 fatias, incluindo uma pizza de chocolate. Nesses casos respeitam sua decisão.

Pra você que é o chato da dieta, simplesmente PARE. Não é não!Pra você que tá na luta, força! Não se abra muito sobre seu novo estilo de vida, pelo menos no começo, quando ainda estamos fragilizados. Já tenho 1 mês de reeducação alimentar/treinos, 5kg a menos e ó,  é cada tentação inacreditável que chega a ser maldade com um ser humano que só quer evoluir. O bom é que depois de cada momento resistido com bravura, me vem mais força pra continuar. São batalhas que vamos vencendo, mas que seria tão mais fácil se o ser humano respeitasse a decisão do outro! Não pode ser tão difícil, né? Afinal, não estou insistindo por uma porção de salada de frutas, embora fosse muito simpático ter esta opção (hohoho), só estou pedindo respeito.