Diário de Bordo: Weekend em Tallinn, Estônia- Parte 1

Já contei aqui ( post 1, post 2, post 3, post 4, post 5, post 6 and post final)sobre a maravilhosa viagem de férias que fiz com minha família para Riga, na Letônia. Semana passada eu viajei para o país vizinho, a Estônia, em Tallinn. 


Fui com uma amiga querida que também é mãe e precisava de um merecido descanso em terras estrangeiras. Foi uma maneira de nos despedirmos das férias, já que agora a vida social acaba e dá lugar a vários desafios.

Mas vamos falar de viagem que é melhor. Eu estou em uma vibe países bálticos, primeiro por conta da proximidade. É uma viagem curta e depois de aproximadamente 1h30 de vôo chega-se ao destino. Segundo que não é um país muito visado pelo terror. Não tem preço andar com a tranquilidade no olhar de quem sabe que caminha por um local seguro.Terceiro e mais importante, não é tão caro. Tanto a passagem como hospedagem e alimentação cabiam no bolso, muito diferente da Noruega, onde tudo são os olhos da cara.

Vamos começar pela hospedagem. Nós ficamos no Swissotel Tallinn, fica bem próximo ao centro. Em uma caminhada de 15 minutos ou com bonde na rua ao lado, o fácil acesso as atrações foi um ponto forte na escolha deste hotel. Além disso, há shoppings, supermercardos, outlets, (stripclubes e cassinos) aos montes pelas redondezas. Os funcionários são gentis, o prédio é muito bonito, quartos impecáveis com uma fantástica vista. 

Fazendo a pensativa no Janelão do 12ª andar e algumas fotos das instalações abaixo:

Como se não bastasse essas qualidades essenciais, tem um café da manhã farto, piscina morninha, spa, academia de ginástica completa e um restaurante no topo do prédio que tira o ar com um janelão virado para o mar.


E tem gente que não dá valor a isso.Tirei esta foto no restaurante/bar do Swissotel. Um casal no topo de um prédio mara com uma vista espetacular, acompanhados cada um de seus drinks e…o telefone roubou o momento encantado(Ou será que estavam jogando?).

Para quem tem crianças, há um parquinho ao lado do hotel. Fiquei muito satisfeita, recomendo!

Primeiras impressões

Tallinn é um mix de estilos. Ao mesmo tempo que constrói, preserva o passado, sendo assim muito comum encontrar prédios novos ao lado de construções antigas. 


Salta aos olhos tamanha diferença, é muito interessante as combinações.

Outra coisa que chamou minha atenção foi a simpatia dos nativos. Ao contrário dos sisudos letões, os estonianos foram muito prestativos e simpáticos, sempre com um sorriso nos lábios, puxando uma prosa, adorei!!!


Todo mundo posando pra mim!

É também terra de um povo bonito!Preciso dizer que as mulheres são maravilhosas? É uma fábrica de modelos, magérrimas, loiras, altivas, um luxo!!!


É a terra da Carmen Kass

Como chegamos cedo, só deixamos as malas no hotel e corremos para passear no centro. Achamos um restaurante que eu adoro, o Lido. 


Foca na sidra “Cereser” de lá! Maravilhosa!!

Parece-me que é uma rede que se estende por todos os países Bálticos e certamente acharei o mesmo estabelecimento também na Lituânia, no dia que for lá.

Barriga cheia, pé no mundo. Fomos explorar a cidade velha.A primeira atração que conhecemos foi a farmácia mais antiga da Europa, em funcionamento desde 1422.


Depois de caminharmos bastante, pausa para o café com bolo na Chocolateria de Pierre .


A gordice escolhida

Perdição! Nada mal para o primeiro dia!
Imagens- Arquivo pessoal

Anúncios

Gente Egocêntrica

Certa vez conheci uma lady com exatas características de uma pessoa egocêntrica. Era amiga de uma amiga de uma amiga e só viramos “amigas” porque morávamos perto e ela tinha um conhecimento literário que me encantava. Sabe aquele tipo de pessoa com quem se pode discutir qualquer livro, pedir explicações, opiniões e etc? Isso em um lugar em que a maioria das compatriotas que conheço não são muito chegada nesse tipo de papo (só na vida das outras que aqui vivem, estilo feijoada entra e a fofoca sai, hahaha! Li isso em uma comunidade de brasileiros pelo mundo, ainda no finado Orkut, e achei genial. Nunca esqueci!), para mim era maravilhoso, finalmente tinha alguém na mesma vibe que a minha.

No início eu até tentava puxar o assunto sobre livros e outras amenidades, mas ela focava em si e batia na mesma tecla. Suas mágoas, seus traumas, suas angústias, seu despeito em relação a outras conhecidas que não lhe davam mais atenção( porque será, heim!)e no final, quase na hora de ir embora dizia:” desculpa, só falei de mim! Tá tudo bem com você?” 

A este ponto eu já estava cansada, sem um pingo de energia e tudo que eu queria era ficar um tempo sem encontrar essa fia. Porém, na semana seguinte acabava encontrando e os.mesmos.assuntos vinham a tona. “Céus, ela já me contou isso semana passada, será que ela não lembra?”, me perguntava constantemente.


Me afastei quando, entre outras coisas, notei que servia apenas de divã, sendo que eu não tenho a menor vocação para tal. 


Reproduzo aqui o texto interessantíssimo, vai que você se identifica, né?

“No início parecem super simpáticas. Costumam ser muito sociáveis, boas de papo e com uma personalidade atraente. Contudo, com o passar do tempo você começa a sentir que aquela pessoa é um pouco chata: fala muito e quase sempre sobre si mesma. Conta repetidamente as mesmas histórias. É alguém que se sente autorizado a falar de qualquer tema, mesmo que não o conheça. E ninguém consegue deter o seu egocentrismo.Depois que você conversou com essa pessoa sente que perdeu seu tempo. Na verdade não houve conversa; você foi uma peça sobressalente em um longo monólogo. Por isso, é provável que se você encontrar novamente essa pessoa, invente qualquer desculpa para não dar lugar a nenhum tipo de conversa.

egocentrismo

Uma pessoa que fala muito de si mesma não estabeleceu um limite claro entre si e o seu entorno. A sua personalidade narcisista a impede de supor que ela não é o centro do universo. Em seu egocentrismo, acha normal que todas as conversas girem em torno dela ou dele.

Na verdade, não passa pela sua cabeça que o seu discurso possa entediar os outros. E se alguém se atrever a lhe dizer isto de forma direta, se defenderá dizendo que o problema está na outra pessoa e não nela mesma.

Essa necessidade excessiva de atenção sobre elas nasce, na verdade, da sua insegurançainconsciente. Elas se sentem satisfeitas se conseguem que os outros as ouçam o tempo todo; o encaram como uma prova do seu próprio valor. Não conseguem entrar em sintonia com os desejos dos outros, mas o tempo todo giram em torno das suas próprias necessidades.

Quem fala sem parar obviamente tem uma grande necessidade de ser ouvido. Mesmo que não esteja dizendo nada. Falar com os outros o distrai do diálogo interior que cada um de nós tem consigo mesmo. Esta pessoa não quer se ouvir, mas sim ser ouvida. Não quer dar valor a suas ideias ou suas palavras, mas sim evitar um encontro interior. Olha a si mesma através dos outros.
Há quem sempre fale de si mesmo para fazer um inventário de sofrimentos. Nem pedem ajuda, nem aceitam seus conselhos. Acham que você deve simplesmente agir com consideração para com eles. Outros fazem o contrário: apresentam uma seqüência de histórias para provar como são maravilhosos. Falam das suas mil façanhas cotidianas, esperando sempre algum tipo de viva da sua parte.

quem fale dos seus problemas para pedir orientação. É como se você fosse um terapeuta particular, e grátis. São pessoas que jamais perguntarão como você está ou se você também tem dificuldades. Dão por certo que os seus problemas são mais graves e que é sua obrigação ouvi-los e aconselhá-los.

Em qualquer destas situações não há uma conversa genuína. Trata-se de um mecanismo de manipulação através da palavra. Você entra em um jogo esquisito com ele, no qual às vezes você pode se sentir comprometido a continuar ali. Obrigado a ouvi-lo, a elogiá-lo ou a se compadecer. Mas o seu laço com essa pessoa não é autêntico, sempre funciona sob a sombra dessa sensação que diz “alguma coisa não está certa”

É bom que em algum momento você expresse diretamente e de forma amável como a conversa é positiva quando existe a possibilidade tanto de falar quanto de ouvir. Também é bom você convidá-lo a falar de temas novos.

Embora não seja impossível lidar com este tipo de pessoa, é necessário aprender a impor limites ao egocentrismo. Se você sente que isto o afeta, que o deixa desconfortável, desata em você sentimentos de culpa ou de vazio, pode ser melhor se afastar.”

*Daqui ó http://amenteemaravilhosa.com.br/egocentrismo-pessoas-que-falam-si-mesmas/

Diário de Bordo: de gaiata no navio em Frederikshavn, Dinamarca

Sábado retrasado acordei bem cedo e junto com uma turma de amigos fomos em bando de Gotemburgo na Suécia até Frederikshavn na Dinamarca. 


Foi, na verdade, um bate-e-volta onde a atração principal era o passeio de navio e seus entretenimentos. É um programa típico escandinavo onde além do café da manhã rico, a área para jogos, o free shop dos cosméticos, perfumes, bebidas e souvenirs, um deck com música ao vivo, é possível passar o dia na aconchegante cidadezinha dinamarquesa. 

Não é a primeira vez que visito e se depender de mim, não será a última, pois adoro a vibe relax que o lugar tem. Um passeio pelos principais pontos turísticos, um bar para colocar as cervejas em dia e reunir uma galera animada era tudo que eu queria.



O passeio dura três horas de Gotemburgo e 11h se parte de Oslo(ida).A vantagem em ir de Oslo é a festona que acontece no navio. Música ao vivo ou dj, é uma ferveção animadíssima.Porém, não dá para andar muito em Frederikshavn, já que a embarcação fica atracada por apenas duas horas.



É uma cidade bem pequena e dá para curtir tudo em um dia ou dois. O comércio fecha cedo, restando apenas os bares para a diversão. Não precisava de mais, hehehe!

Imagens- Arquivo pessoal

Na sacola: Calçados de Verão Escandinavo

É época promoções generosas, momento em que eu aproveito para fazer comprinhas de verão. Eu tento a todo custo evitar modinhas devido ao curto período de uso e procuro adquirir basicamente o que ainda poderei usar até a chegada do inverno e na próxima primavera/verão. Aqui alguns exemplos de calçados “eternos”:

Mocassim H&M

Comprei para testar e me apaixonei. É muito confortável, protege bem o pé da chuva e lama, muito fácil de combinar com roupas, bem relax. Acho que voltarei lá para comprar um pretinho também.

Tênis Ralph Lauren

É masculino, mas é cinza e preto, “não suja”( o mais importante) e é bem confortável.Me custou por volta de 400kr e pretendo usá-lo somente dentro da academia.

Sapatilha H&M

Ela eu comprei com o intuito de usar apenas dentro de casa, já que se fosse fora, acho que não duraria 1 dia. O material parece ser de qualidade duvidosa, porém, atende bem minhas necessidades de ter algo pra calçar quando for visitar a casa de uma amiga. Sabia não que aqui na Noruega/Suécia não podemos usar sapatos dentro de casa? Pois é, pra não andar toda chiquetoza de pés no chão com os dedões à mostra na residência alheia, catei essa bonitona pra mim. Tenho que comprar um preto também.

Galochas Vagabond

Pensa na pessoa cansada de andar com os pés molhados na chuva. Eu tenho uma galocha de cano longo, só que ela não é prática para dirigir. 


Essa me parece perfeita quando se tem pressa, entre uma atividade e outra, nada melhor que colocar rapidinho os pés dentro e literalmente correr para o próximo compromisso. Super simples, sem muitos detalhes, pra bater mesmo.
                              👣
Há quem curta rasteiras e saltos altíssimos. Eu não tenho mais pés pra isso. Sapatilha ou tênis é o que me traz o conforto e que dá conta do recado sem me machucar, na hora em que preciso correr atrás das crianças( ou do ônibus, hahaha).

Imagens-Arquivo pessoal

Amor pelos Dachshund

E muito amor pelos amigos que sabem dessa paixão e apoiam de coração. Eu mandei essas fotos para uma amiga comentando da minha vontade de fazer uma tatuagem…

Aí a fofa me liga dizendo que tinha achado algo para mim e que precisava saber o meu tamanho para camisetinhas. Quando me encontra, olha o que ela trazia junto:

Eu fiquei tipo “ahhhhhhhh”, descontrolada de alegria!!!
❤️Pripri❤️, você não conhece o meu blog, mas se um dia vier parar aqui, quero que você saiba o tamanho da minha surpresa e gratidão por tal gesto. Eu fiquei bastante tocada pelo teu carinho, viu???Muitooo obrigada, querida!!!


Acho que agora esta tatuagem sai!
Imagens das tatuagens-Reprodução

O Ser é Humano

E por isso, não dá para esperar outra coisa. Aliás, estranho seria se fosse diferente. 

Eu lembro do dia que descobri a minha segunda gravidez, foi um susto! Não havia programado e ainda me dividia em sentimentos de pânico e alegria. Em um jantar para os sogros, revelamos a boa nova e deles recebemos a mais sincera congratulação. Algumas horas depois, no aniversário de uma familiar muito querida, revelei a ela o meu pequeno segredo. O que vi foi uma mudança súbita de comportamento após um abraço frio. No momento eu não entendi o desânimo e até certa tristeza com a minha condição. Acabamos por nos afastar um pouco e só depois de uma conversa franca é que descobri sua luta para engravidar. Decepções, dramas, sonhos despedaçados mensalmente e eu chegava ali, no dia de seu aniversário, pra dizer que havia conseguido algo que ela tanto queria “sem querer”, quase que com pouco caso.

Lembrei também de uma amiga de infância/adolescência que era a minha melhor amiga de todos os tempos. Ela era muito gordinha, sofria bullying por toda parte e me revelou, anos mais tarde, que nada doía mais do que ser rejeitada ou até invisível para os garotos nas festinhas que frequentávamos. Me explicou que por isso se afastou de mim e que se arrependia muito por ter desistido de nossa amizade e por não suportar que eu me destacasse mais do que ela. A maturidade havia chegado, mas era tarde demais, pois eu estava me mudando para outro país.

Casos como estes mostram que existe toda uma história por trás de determinados comportamentos e que é necessário ter certo cuidado na hora de julgar o que consideramos por inveja. Tem que parar pra refletir, se colocar no lugar do outro, se perguntar se não agiria da mesma forma caso alguém esfregasse a felicidade bem nas suas fuças. 

Foi o que disse ontem a minha mãe. Ela estava magoadíssima porque sua amiga de aaaanos apresentava um comportamento quase que como de despeito em relação a ela, só porque mammis babadeira tinha mais sucesso com os homens do que ela. Disse que minha mãe estava com aquela entidade de vermelho do corpo, que só assim pra atrair tantos homens(Achava que essas disputinhas acabariam no tempo da escola? Minha mãe faz 70 ano que vem, haha!).


Eu entendo assim: Algumas vezes não é que a pessoa queira o que é seu, ela apenas se entristece por também não ter aquilo. Acho que seria bem diferente se todo mundo engravidasse de uma vez, que nem final de novela. Ou, se fôssemos as pegadoras matadoras do pedaço, ninguém ficasse segurando vela ou pra titia. Tipo, se todo mundo tivesse oportunidades iguais, sucesso, reconhecimento. Quando há uma diferença no estilo de vida, acho que é normal esse tipo de sentimento rolar, a coisa da grama do vizinho ser mais verde e tal.

Uns tem mais, outros tem menos, alguns levam a coisa para o lado nocivo e não descansam enquanto o objeto da inveja não caia infeliz, outros se afastam porque o que os olhos não veem, o coração não sente.

O que eu faço é ver o grau de nocividade. A pessoa faz isso sempre? Me afasto. A pessoa fez isso apenas uma vez? Valorizo o que há de bom em nossa amizade e evito falar no que possa despertar esse sentimento nela. 
Imagens- Reprodução

Cerimônia de abertura na Universidade de Oslo

Ontem fez 1 ano que comecei meus estudos na Universidade de Oslo

Cerimônia de Abertura do ano letivo na Universidade de Oslo.(Imagem-Reprodução)
Ainda recordo bem a surpresa que foi o momento em que recebi um sms do reitor, dando as boas vindas a todos os calouros. Eu estava terminando mais um dia exaustivo de labuta, o último dia antes das minhas férias que se tornou o meu último dia no trabalho. Muitas foram as incertezas: “Será que eu daria conta? Faculdade depois dos 30? Faculdade em norueguês? Faculdade tendo duas filhas pequenas para cuidar?Trocar um emprego estável e a independência financeira por um curso universitário que não me dava a certeza de um emprego após finalizar o curso?”Ainda é muito cedo para saber tais respostas. 


Primeira palestra de introdução ao curso



Eu sinto muitas saudades do meu emprego, não nego. Vejo colegas e aquele ambiente fantástico que é o aeroporto com muito carinho e nostalgia. Porém, a possibilidade de crescer mais um pouco foi proposta irrecusável, mesmo que tenha sido um passo arriscado. É dar um passo para trás pensando em dar 10 para frente( assim espero 🙏)


Os trotes: Após a cerimônia e a palestra de introdução, os veteranos tomam conta dos novos estudantes durante uma semana. Cada dia tem atividades diferentes que dura o dia inteiro e leva muita cachaça no processo. 



Como tudo começou:



Eu cheguei na Noruega em 2006, mas só iniciei no curso de norueguês no meio de 2007.Finalizei em 2008, sendo aprovada na Norsk Prøve 3 e logo em seguida comecei a trabalhar. Sabia que precisava ir mais além para me destacar entre os nativos na busca por um emprego. Foi por isso que mesmo trabalhando, nunca parei de estudar. Fiz cursos particulares e encarei o ensino médio de inglês e norueguês, porque só assim conseguiria entrar em uma universidade( existe uma maneira mais rápida, porém bem mais difícil e cara de se conseguir tal documentação: Toefl e Bergenstest. É para os fortes!). Eles também me ajudaram a conseguir meu último trabalho, fiz questão de atestar meu conhecimento da língua no dia da entrevista e meu desempenho na escola pareceu decisivo para conseguir a vaga.


A um passo da Universidade




Na Noruega não existe vestibular, são as notas do ensino médio que dizem qual curso o candidato é apto a fazer, bem como qual faculdade ele será aceito. Ou seja, caso eu deseje fazer medicina, mas não tenho a pontuação mínima sufuciente, precisarei voltar ao ensino médio e fazer mais um ano daquela matéria para só então, se tiver boas notas na prova anual, conseguir uma vaga.

Além disso, conta pontos também o fato de ter experiência de trabalho, idade avançada, ser estrangeira e outros fatores( que agora não me recordo, sorry, haha).

Eu apenas necessitei atestar conhecimento em norueguês e inglês porque tenho formação universitária no Brasil. Os que tem apenas o segundo grau, precisa fazer outra vez o ensino médio em Norueguês para assim obter a pontuação necessária. 

O caminho das pedras



É estrangeiro com permanência/cidadania norueguesa e pensa em encarar a vida acadêmica? Dá uma olhadinha aqui:

1.Primeiro é preciso ter um plano profissional. Ter um objetivo claro e trabalhar em cima dele. 

2.Se informar sobre os requisitos em local idôneo.Facebook embora ajude muito, não é o local mais confiável. Vá na instituição que lá eles podem passar as informações corretas.

3. Traduza a papelada da escola. Ensino fundamental, médio e superior. Traduza tudo.

4. Envie para validar. O órgão responsável é o NOKUT .

5. No caso de estrangeiros sem qualquer vínculo com a Noruega, a maneira de conseguir uma vaga no ensino superior está  aqui.
6.Cuide da língua. O inglês e o norueguês em dia, comprovados por provas como o Toefl e Bergenstest. 
Lembre que:

•Tem segundo grau➡️Fazer o segundo grau em Norueguês.
•Tem graduação completa➡️Fazer prova de proficiência em inglês e Norueguês ou ensino médio em Inglês e norueguês.
•Estudante internacional sem vínculo com a Noruega➡️ Prova de proficiência em inglês.

•É possível conseguir uma ajuda pecuniária mensal. Esta ajuda não precisa ser devolvida, desde que o estudante seja aprovado em todas as matérias. Caso isso não seja possível, a quantia vira um empréstimo a ser devolvido somente quando o estudante conseguir um emprego.

 Brigada, de nada.
Imagens- Reprodução e arquivo pessoal

Na sacola: de casa nova

Estava eu passeando pelo site da H&M home,como quem não quer nada( mentchyra! Como quem quer tudo!!!)e vi essa linda casinha na sessão infantil. 


Não seria algo estranho por ter duas filhas, a não ser pelo fato de que a casinha era pra abrigar uns moradores especiais…

Como não tinha lugar para todo mundo, encomendei mais uma casinha e aguardo ansiosa por sua chegada.
Além dela, adquiri novos moradores:

Acqua di Gioia, 30ml – Giorgio Armani

Mais um perfume especial, agradável, bem dia a dia. Conheci por uma miniatura e só precisava ter a versão original. Pelo andar da carruagem, terei que me preparar$$$$$ pra adquirir um de 100ml! Bom demaaaaaais!

Lady Million, 30ml-Paco Rabanne.

Foi uma escolha muito difícil, pois do outro lado estava o Olympea! Como eu pude deixar o Olympea lá, como???? Nem eu sei. Eu só sei que o Lady Million é perfumão doce de festa. Me lembra roupa preta, decotão, mulher loura com cabelo armado, argolas douradas, correntes, 4353 pulseiras e 65433 anéis. Bebida, fumaça e som alto também. Não vejo a hora de usar, mesmo não sendo loura.

Agora, o kit do amor

Eu comprei unicamente pelo J’adore que é os olhos da cara em full size. Os outros também tem muita graça.


A caixinha é um show a parte. Não sabia que as amostras eram tão luxuosamente apresentadas. Ótima opção de presente pra aquela pessoa mega especial.

De.tirar.o.ar

E a coleção de minis só cresce!me diz, qual é o seu perfume favorito?

Imagens- Arquivo pessoal

Entre espirros e reflexões

Estava toda serelepe, fresh e plena quando alguns dias atrás fui buscar minha filha na escola. Lá encontro a mãe da amiguinha de minha filha, poooodre a gripe, tão mal que nem conseguia falar direito. Não sei você, mas quando encontro gente muito gripada, me dá certa aversão, vontade incontrolável de sair correndo, porque eu sei que pode dar merda(tanto é que hoje quem está gripada sou eu, afff!).E quanto mais eu me afastava, mais a muié lá puxava papo.Filha da mãe simplesmente me passou uma gripe que eu não precisava.

Passei o dia existindo apenas, fazendo o básico das atividades domésticas e nem pra estudar tive ânimo. Parabéns pra mim que já gastou duas semanas em apenas um capítulo, sendo que quando as aulas começarem, terei que dar conta de 2 a 4 capítulos por semana.Shoremos.

Bom, a vantagem de tirar um tempo livre para fazer absolutamente nada, além de ter a oportunidade de colocar as séries em dia, são as reflexões bacanas que florescem. Estava matutando hoje o quão gostoso é não me importar tanto com o que os outros pensam de mim. Não é fácil não me importar, já que eu sempre fui muito de agradar, mesmo que a situação não me alegrasse. Porém, a partir do momento que eu entendi que o pensamento dos outros sobre mim é um problema somente deles e que independente do que eu faça, vão gostar ou não de meu modo de ser, eu relaxei. 


É bem libertador ter esse tipo de compreensão.Por exemplo, tenho uma vizinha que enche o meu saco. Sabe que eu não gosto dela, mas vive insistindo em fazer a íntima com segundas e terceiras intenções( um dia ainda escreverei sobre ela aqui). A infeliz pá me convidado pra tomar um café na casa dela. Invento que estarei fora o dia todo e na data fico de boas em casa, não me importando de que a minha mentira seja descoberta. Detalhe: ela mora no andar debaixo, hahaha!!!E se ela descobrir, qual é o problema? Eu tenho que me contrariar pra agradar os outros, uma who? Jamé!


Olha, meu nível de lerdice era tão grande que eu até me importava com gente que nunca havia encontrado na vida, só porque estava na minha lista de amigos  (na época que eu tinha Facebook), eu não me sentia bem dando unfollow/block.Hoje, não me agradou, sinceramente eu não vejo qualquer motivo que me faça continuar perdendo tempo com uma pessoa desagradável, imagine com um perfil de Facebook ou um blog aqui da minha lista. 


No meu caso é chega de confundir antipatia com educação.

A vida é muito curta pra perder tempo com quem não nos identificamos, não acha?

*Claro que me refiro aos irrelevantes, aqueles que não fazem qualquer diferença na minha vida/história. Isso infelizmente não inclui chefes e alguns seres intocáveis.